Siga nossas redes sociais!

Destaques

Daymare: 1994 Sandcastle – Primeiras Impressões

Avatar photo

Publicado

a

Daymare

Tivemos acesso antecipado à demo de um dos jogos mais aguardados pelos fãs de sobrevivência e terror: Daymare: 1994 Sandcastle, um videojogo com raízes inspiradas nos clássicos Resident Evil promete bastante, mas será que cumpre?

Em primeiro lugar, dizer que fui completamente às cegas para este título, uma vez que não joguei o seu antecessor. Logo, não consigo ter um termo de comparação, contudo, não senti qualquer estranheza ou falta de contexto, podendo facilmente dizer que qualquer pessoa que não tenha tido a oportunidade de experimentar Daymare: 1998, pode agarrar neste sem medo.

As minhas primeiras impressões foram excelentes e tenho a dizer que apesar de não ser facilmente impressionável por gráficos, a primeira coisa que me deixou completamente apaixonada foi o desempenho a esse nível. Experimentando várias configurações, e mesmo colocando todos os specs em low, os resultados foram estes:

Daymare1994

SPECS NO LOW – DAYMARE: 1994 SANDCASTLE

Daymare1994

SPECS NO ULTRA- DAYMARE: 1994 SANDCASTLE

Apesar das texturas muito mais evoluídas e realistas no ultra, a verdade é que me impressionou a forma como os developers tiveram o cuidado de trazer uma excelente experiência para o jogador com o melhor PC, mas também para o que não tem possibilidades de ter um topo de gama.

Mas nada disso importa se a jogabilidade não convencer, certo? E neste quesito, Daymare:1994 Sandcastle traz ao utilizador uma boa experiência, principalmente no que toca à fluidez da mira, tornando a morte dos inimigos dinâmica com jumpscares à mistura. Juntando a isso, também há alguma perspicácia, uma vez que não nos basta ter uma boa shotgun e precisamos de utilizar vários recursos. Exemplo disso é a arma que dispara nitrogénio líquido, que dá bastante jeito e por vezes é mesmo a única hipótese possível para matar os “zombies modificados geneticamente por uma energia que ainda desconhecemos”.

Daymare1994

Mas a nossa agente especial Reyes está preparada para tudo e, apesar dos combates terem uma certa dificuldade, é da boa dificuldade, que nos faz querer repetir para perceber onde erramos. O ambiente e os corredores infinitos ao estilo de Alien: Isolation fazem com que a combinação entre este e Resident Evil 2 (do qual me parecem vir as maiores inspirações), façam o mix perfeito para um videojogo que de certeza não vai desapontar os fãs do género.

Os aspetos menos positivos durante a minha experiência nesta DEMO estão relacionados a coisas que tenho a certeza vão ser resolvidas até ao lançamento do produto final: os olhos esbugalhados das personagens nas cutscenes que fazem soltar uma gargalhada, os movimentos cluncky da Reyes em certos momentos, principalmente durante os ataques a inimigos e na forma como estas espécies de zombies ficam quase em filinha indiana à espera de levar um tiro ou um ataque especial com a Frost Grip.

Também poderia apontar o facto de, por vezes, demorar a acontecer alguma coisa interessante, mas isso já se torna num gosto pessoal de alguém que gosta bastante de ação. Fora isso, os puzzles que temos de resolver são relativamente fáceis, o mapa bastante intuitivo e raramente ficamos presos em alguma parte sem saber o que fazer.

Daymare: 1994 Sandcastle promete e cumpre. Foi bastante prazeroso passar esta DEMO e estou mesmo muito esperançosa pelo produto final por parte da Invader Studios. Teremos que esperar até agosto para ver!

Metade humana, metade geek, esta espécie rara do universo gaming não dispensa uma tarde de jogatinas como nos bons velhos tempos com os vizinhos do bairro. Mal sabia ela que esta pequena paixão um dia se ia tornar num verdadeiro amor pela Cultura POP, daqueles para a vida toda. Jogos, animes, k-pop, séries, filmes, venham eles e é uma miúda feliz. Fazer gameplays é totalmente a sua praia, por isso criou o seu ninho da felicidade no Youtube, onde se dedica ao melhor hobby de todos, que a faz dar as maiores gargalhadas e permitiu encontrar a comunidade onde pertence, sem limites nem julgamentos.