Connect with us

BD & Literatura

ESTIVEMOS À CONVERSA COM A AUTORA DE “A RAPARIGA NO COMBOIO”

Avatar photo

Published

on

Paula Hawkins, escritora de livros como “A Rapariga no Comboio”, “Escrito na Água” e “Um Fogo Lento” marcará presença, pela editora Topseller/Penguin Random House, na Comic Con Portugal 2022 nos dias 10 e 11 de dezembro (sábado e domingo). Tivemos oportunidade de entrevistar a  brilhante escritora e perceber como vive este mundo da literatura e que perspectivas vê no seu horizonte.

EPOPCULTURE News: Quando nasceu o interesse por escrever ficção?

Paula Hawkins: Quando era criança, sempre gostei de escrita criativa, mas quando era mais jovem não considerava a escrita em si como uma carreira: não conhecia nenhum romancista, não parecia uma carreira muito prática e eu sou um pessoa prática! Tornei-me jornalista primeiro, mas sempre escrevi ficção paralelamente. Nunca perdi o amor por isso.

 

EPOPCULTURE News: Sob o pseudônimo de Amy Silver, escreveu livros de comédia romântica. O que a convenceu a mudara e a começar a escrever enredos mais sombrios, tais como os livros pelos quais é reconhecida agora?

Paula Hawkins: O primeiro romance de Amy Silver foi foi encomendado por uma editora; não foi uma ideia minha, embora as três histórias que se seguiram fossem. O que ficou claro para mim enquanto escrevia foi que a comédia romântica realmente não era meu gênero – não sou particularmente engraçada ou romântica! Eu ansiava por escrever algo mais sombrio, explorar a tragédia, o medo, a culpa e a vingança… todas as coisas sobre as quais apreciei escrever nos meus três últimos livros.

 

EPOPCULTURE News: “A Rapariga no Comboio” foi um sucesso de vendas e teve até direito a uma adaptação para o grande ecrã. Qual é o grande desafio de adaptar uma história (que já existe em formato de livro) para um filme?

Paula Hawkins: Quem fez a adaptação do livro para filme foi um guionista. Contudo, acho incrivelmente difícil adaptar o próprio trabalho para a grande tela – embora existam muitos escritores, como Emma Donoghue e Gillian Flynn, que o fizeram e tiveram um enorme sucesso. Temos que pensar de uma maneira completamente diferente quando escrevemos para o cinema, temos que pensar visualmente, o que não é algo que necessariamente vem naturalmente para muitos escritores. Tens de ser capaz de transmitir uma personagem com um simples olhar ou um gesto, em vez de uma página ou duas de prosa, e isso é muito desafiador.

 

EPOPCULTURE News:  Sempre foi um desejo seu ter um livro adaptado para o cinema?

Paula Hawkins: Honestamente, não pensei nisso quando estava a escrever o livro. Tudo em que eu estava focada era no meu trabalho: as minhas personagens, as minhas ideias e o meu enredo. Acho que é assim que deve ser.

 

EPOPCULTURE News: Após o sucesso de “A Rapariga no Comboio” qual foi o conceito em  mente enquanto escrevia “Escrito na Água”?

Paula Hawkins: Eu estava bastante sobrecarregada. Obviamente,  fiquei encantada com o sucesso do livro, mas esse sucesso significava que eu tinha menos tempo para sentar em silêncio numa sala e escrever. Também significava que haveria expectativas para um segundo romance e isso era assustador.

 

EPOPCULTURE News: Com todas as pressões externas que existem nas promoções de livros, publicidade e momentos com imprensa afetam o esforço diário para continuar o processo criativo da escrita?

Paula Hawkins: Temos de arranjar tempo para escrever. Temos de definir certos dias (ou semanas ou horas) que são tempo de escrita e que não podem ser canibalizados por outras atividades. Isso nem sempre é simples, mas é o único método que funciona para mim.

 

EPOPCULTURE News: Onde se vê daqui a 10 anos? Podemos esperar mais novidades a nível literário?

Paula Hawkins: Eu não faço planos de dez anos! Muito assustador. Tudo o que posso dizer é que estou a escrever no momento , então espero que haja outro romance em breve.

 

EPOPCULTURE News: Quais são as suas expectativas para a sua visita à Comic Con Portugal 2022?

Paula Hawkins: Estou muito animada. Eu nunca estive em nenhuma Comic Con, muito menos na Comic Con de Portugal, então não tenho certeza do que esperar…mas estou entusiasmada!

 

 

 

Os especialistas do Conteúdo da Cultura Pop.