Connect with us

Destaques

Tekken 8 – O Rei dos 3D Fighters

Avatar photo

Published

on

Tekken

O torneio do rei do punho de ferro está de volta com Tekken 8, a mais recente entrada da icónica série de jogos de luta 3D, que chegou em força às consolas de nova geração e PC.

Confesso que a franquia Tekken me diz bastante, por ser a primeira franquia de jogos de luta que joguei, e por ser também a minha favorita. Por isso, a quantidade de elogios que estou prestes a dar podiam ser suspeitas, mas o que é certo é que superou todas as expectativas, e se eu coloco o Tekken 3 como o melhor da franquia, o Tekken 8 chegou para bater de frente com o título lendário.

Street Fighter 6 e Mortal Kombat 1 lançaram primeiro os seus jogos na nova temporada, sendo que ambos apresentaram grandes inovações. As dúvidas sobre o quanto Tekken 8 poderia destacar-se dos concorrentes eram muitas, mas de facto surpreendeu. Seja em mecânicas de combate, gráficos, modos de jogo, tudo deu um salto gigantesco.

O Modo de História foi verdadeiramente surpreendente, praticamente todos os personagens do roster inicial tinham algum tipo de participação na história, alguns com mais peso que outros claro. A narrativa foca-se em Jin, o protagonista da franquia, e o seu pai Kazuya, o antagonista. O jogo abre precisamente com uma batalha entre ambos, visto que Jin foi destacado por Lars Alexandersson para uma missão onde o objetivo principal seria travar Kazuya.
Tekken
São vários os momentos icónicos da franquia são referidos, como o “The King of the Iron Fist Tournament” ou o tema do Jin, que recebeu uma nova versão. Toda a história está absolutamente incrível, com cutscenes épicas, cheias de explosões e ação, complementadas com quick time events.

Os Character Episodes são parecidos ao modo árcade, com vários combates seguidos que resultam numa cutscene da personagem, que em algumas vêm complementar a história, e noutras apenas algo sobre a história ou desfecho da personagem, com situações bastante “fora da caixa” ou hilariantes.
Tekken
O Modo Arcade está de volta e mantém a fórmula, mas não temos de debloquear personagens como nos títulos mais antigos da franquia. O Arcade Quest é um modo novo onde viajamos  por salões de arcade para cumprir missões, subir de nível e ganhar os torneios locais. Aqui controlamos um avatar, criado por nós, que interage com outros avatares CPU e máquinas arcade.

Com o mesmo sistema de avatares temos o “Ghost Battle”, onde jogamos com “fantasmas” CPU que replicam as técnicas de combate de outros jogadores e outros avatares CPU.

Já o modo de repetição e aprendizagem faz a leitura de antigas batalhas e dá dicas de como melhorar a técnica de combate. Esta é uma forma de treino bem mais avançada que o próprio modo de treino, que está disponível e permite treinar combos e ataques, bem como realizar desafios de combo.

Para quem, como eu, que adorou o Tekken 3, ver o regresso do Tekken Ball foi um motivo para entrar numa autêntica euforia. Para aqueles que não conhecem, Tekken Ball é um modo de jogo mais virado para a diversão e brincadeira, com uma rede na praia e uma bola gigante. Temos de disferir golpes na bola de forma a que esta acerte no inimigo e lhe provoque dano. Sempre adorei este modo e adorei ver o seu regresso, mesmo que sem as flatulências super poderosas do Gon.

Tekken

Em relação ao online, além das clássicas partidas e ranked, temos agora também um Lounge multiplayer. Faz lembrar um pouco o Lounge multiplayer de Street Fighter 6, onde podemos comunicar com outros jogadores por texto e entrar em combates amigáveis, combates de grupo ou ranked. E claro não esquecer o offline Player vs Player ou Player vs CPU.

E sim, o sistema de ranks ou dans continua igual à fórmula que vemos desde o Tekken Dark Resurrection, com  evoluções e mudanças nos nomes dos Dan’s graduais. Logo, não sentimos uma diferença grande, principalmente do Tekken 7 para o 8. Outro elemento que se mantém é a personalização dos personagens. O perfil de lutador pode também ser personalizado, desde o calling card ao título, passando pela imagem de loading do lutador e até a barra de vida.

Ou seja, Tekken 8 conseguiu pegar nos modos clássicos, fazer melhorias, sem que perdessem a essência. Foi encontrado o equilíbrio perfeito entre o “não mexer no que já é bom” e trazer o fator novidade.

Nas questões mais técnicas, como a jogabilidade, Tekken 8 apresenta melhorias claras na fluidez. No modo clássico temos de fazer os combos manualmente, essencial para quem quer competir de forma mais séria e dominar o jogo. Mas tal como Street Fighter 6, a Bandai decidiu acrescentar um sistema de combate mais fácil e acessível, o Special Style. Este sistema pode ser ativado e desativado com o simples pressionar do “L1” (na PS5, ou “LB” na Xbox) e permite que sejam realizados combos complexos ao fazer cliques simples como três vezes o “X”, ou duas vezes o “triângulo”. Claro que este sistema é muito limitado, mas torna o jogo bem mais acessível para quem está a começar ou simplesmente não quer ter de decorar os combos todos.

Outro elemento adicionado foi o Heat System, que também se assemelha ao que foi feito em Street Fighter 6. Ao clicar repetidamente no “R1”, podemos disferir ataques bastante mais potentes que os normais, e a nossa defesa e ataque ficam também mais eficientes. As Rage Arts já existentes na franquia continuam presentes, com animações mais épicas.

Tekken

Contamos com 32 personagens base, sendo que 29 deles vêm dos títulos anteriores mas com a sentida falta de Eddy Gordo, um dos personagens mais adorados de toda a franquia, que chega apenas como DLC na primeira temporada do Season Pass. Azucena, Vitor Chavalier e Reina são os novos personagens que chegam à franquia.

No que toca a gráficos, a Bandai conseguiu brilhar e trazer dos mais bonitos gráficos na nova geração de consolas. Podem não ser os mais realistas, mas são definitivamente dos mais bonitos e detalhados. Não só as personagens em si, como os cenários são bastante compostos, com elementos interativos e bónus para a beleza dos efeitos visuais e animações. A própria interface de utilizador está toda ela bastante limpa e bonita, além de prática e eficiente.

Tudo isto é complementado com uma banda sonora incrível, que além de temas novos, como o viciante tema principal e de menu, tem a adaptação de clássicos como o tema do Jin, que traz um misto de nostalgia e emoção a esse momento específico do jogo onde surge.

Tekken 8 surpreende ao conseguir o equilíbrio perfeito entre a fórmula clássica e novos elementos de gameplay. A Bandai conseguiu ainda perceber as tendências e inovações que se destacaram nos concorrentes e aplicou-as de forma perfeita a um jogo que mesmo sem elas já estaria incrivelmente bom. A forma como todos os modos de jogo e elementos estão aplicados, com os gráficos e banda sonora a colocarem o toque final, fazem de Tekken 8 um dos melhores jogos de sempre da franquia.


Subscreve o nosso canal do EPOPCULTURE no Youtube e segue-nos no Instagram, Facebook e LinkedIn. A Comic Con Portugal, o maior festival ibérico de Cultura Pop, já tem os bilhetes à venda para a edição de 2024 aqui!

Consulta a nossa agenda de programação | Mais artigos de cinema | Mais artigos de TV & Streaming | Mais artigos de Gaming | Mais artigos de BD & Literatura | Mais artigos sobre a LEGO | Visita ainda a nossa store com produtos exclusivos.

Apaixonada pela cultura geek e principalmente pelo gaming desde pequenina, quando ficava horas seguidas a jogar consola. Jogar apenas deixou de ser suficiente para saciar o apetite por videojogos, então logo começou a fazer vídeos, a falar e a escrever sobre videojogos. Como uma paixão geek nunca vem só, adora ver animes, séries e filmes. Pelo caminho ainda vai aprimorando a sua veia musical.