Connect with us

Destaques

Rebel Moon: Parte 1 – Um Star Wars pobre e barato

Avatar photo

Published

on

Rebel Moon

Desde o seu lançamento, o novo filme do Zack Snyder, Rebel Moon: The Child of Fire, tem dividido muitas opiniões. Não é novidade que confrontos entre críticos e público acontecem imensas vezes nesta vasta floresta a que chamamos de “Cinema”. A verdade é que quando se trata deste realizador, a luta é mais intensa e por vezes agressiva. É notável que a perseguição ao Snyder e aos fãs têm crescido, com esta nova produção em colaboração com a Netflix, não foi diferente…

Rebel Moon é apelidado por muitos críticos como um filme com uma “história confusa”, “personagens desperdiçados”, e até “uma ópera espacial de Snyder, com os seus impulsos maximalistas ao de cima”. Já os fãs, vêem o filme como “uma aventura visualmente linda”, “efeitos visuais do melhor” e, contrariando o que a crítica disse: “um filme com personagens sólidos”.

Na minha verdade, é que Rebel Moon: Parte 1 entrega uma história simples mas ao mesmo tempo complexa. Snyder tenta introduzir muita coisa em apenas 2h15m, o que por vezes deixa a história confusa, o desenvolvimento pobre dos personagens e muita complexidade da heroína na protagonista. Este último é uma coisa que afeta bastante a história, porque coreografias, a própria atuação e apego emocional do espectador à personagem (que até então, não era um problema nos filmes do Snyder) estragam a conexão entre o público e o filme. Este foi um dos problemas mais assentes que prejudicou a minha experiência com o filme. Especialmente porque parecia estar a ler uma comic dos anos 60, onde os personagens precisavam de dar um discurso todo megalodon para justificar as suas ações, ou explicar um facto sobre um personagem. Aqui foi a constante explicação e resumo da história e vida de um personagem a partir da introdução dos personagens. Exemplo: Sempre que um personagem queria ser apresentado, um outro personagem era responsável por dizer o nome, o local, a história de vida, o que fez, quem era, o porquê de fazer aquilo, etc, etc… E se isto acontecesse poucas vezes até poderia passar (dificilmente!!), mas a verdade é que foi esta história com todas as personagens… Confesso que foi algo muito irritante.

A verdade, é que para um filme que foi promovido como “a próxima grande franquia de Sci-fi da Netflix” ou “O Star Wars da Netflix” fica muito aquém da realidade e. apesar de termos as claras referências ao género, o que temos é apenas um insulto a Star Wars e a todo o seu lore.

No entanto, ainda existem algumas coisas neste filme que chamam a atenção. A cinematografia bela de Snyder continua presente mais uma vez, fortificando o seu carácter neste ramo. Os efeitos visuais estão fabulosos, especialmente com o personagem “Levitica” (Tony Amendola) que faz muito lembrar o Capitão Salazar do filme Piratas das Caraíbas: Homens Mortos Não Contam Histórias, e as lutas espaciais com naves (típico Star Wars, não é?) estão bastante agradáveis visualmente. Um personagem que foge a muitas exceções, é o General Atticus Noble (Ed Skrein) que foi uma surpresa para mim. A sua postura, expressões e ações como um general ditador (provavelmente com referências no personagem “Hans Landa”, de Inglorious Basterds) foram um novo ar neste filme que parecia estar pregado a um ambiente de “heroísmo” excessivo.

Resumidamente, “Rebel Moon: The Child of Fire” é uma desilusão no que toca aos requisitos propostos e ao realizador em questão, entregando uma história pobre, desenvolvimento de personagens fracos, um guião estranho, mas ao mesmo tempo, visualmente bonito, com bons efeitos e algumas exceções positivas.


Subscreve o nosso canal do EPOPCULTURE no Youtube e segue-nos no Instagram, Facebook e LinkedIn. A Comic Con Portugal, o maior festival ibérico de Cultura Pop, já tem os bilhetes à venda para a edição de 2024 aqui!

Consulta a nossa agenda de programação | Mais artigos de cinema | Mais artigos de TV & Streaming | Mais artigos de Gaming | Mais artigos de BD & Literatura | Mais artigos sobre a LEGO | Visita ainda a nossa store com produtos exclusivos.

Um jovem rapaz que adora o mundo do Cinema e da Televisão. É técnico de som e por isso o seu amor reside nas bandas sonoras. A sua inspiração é o Hans Zimmer e o John Williams. Adora ficção científica e super-heróis, mas não descarta as outras áreas.